Leitores perdem três grandes escritores brasileiros em cinco dias

Os amantes da literatura brasileira estão de luto nos últimos cinco dias. Três grandes escritores faleceram neste curto espaço de tempo, deixando um legado que se extende por gerações de leitores no Brasil e no mundo.

O primeiro foi João Ubaldo Ribeiro (1941-2014), falecido em 18 de julho. Como seu conterrâneo Jorge Amado, o escritor baiano foi traduzido para diversos idiomas e, inclusive, traduziu seu próprio livro "Viva o povo brasileiro" para o inglês. João Ubaldo também assinava colunas em jornais, teve parte de sua obra adaptada para o cinema e a tevê e ocupava a cadeira 34 da Academia Brasileira de Letras desde 1994.

Um dia depois, em 19 de julho, faleceu Rubem Alves (1933-2014), que se destacou nas áreas de pedagogia, literatura juvenil e filosofia da religião. Escreveu mais de 40 livros ―muitos deles traduzidos para inglês, espanhol, italiano, francês, alemão e romeno― e foi um palestrante bastante requisitado por causa da sua visão humanista sobre a educação de crianças e jovens.

No dia 23 de julho, faleceu Ariano Suassura (1927-2014). Nascido em João Pessoa, Paraíba, defendia o Movimento Armorial, cujo objetivo era criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Uma de suas maiores obras foi a peça "O auto da Compadecida", que virou filme em 2000. Ocupava a cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras desde 1990.


Nota do editor: Poeta e tradutor Ivan Junqueira faleceu dia 3 de julho

No início do mês, faleceu Ivan Junqueira (1934-2014), outro ilustre escritor e ex-presidente da Academia Brasileira de Letras. Homenageado pela Academia Francesa de Letras com a Medalha de Richelieu, a mais alta condecoração daquela instituição, teve sua poesia traduzida para o inglês, espanhol, italiano, francês, alemão, dinamarquês, russo, turco, búlgaro, esloveno, provençal, croata e chinês. Além de escritor, também foi tradutor e recebeu prêmios pela tradução dos poemas de T. S. Eliot.