"Não Gosto de Plágio" de Denise Bottmann

Dando continuidade à minha lista de blogs dedicados à tradução literária, aqui está a quarta parte da série RecBLOG

Hoje eu gostaria de recomendar "Não Gosto de Plágio" da Denise Bottmann, que é tradutora editorial desde a década de 1980. Seu blog se especializa em publicar uma lista abrangente de livros traduzidos publicados no Brasil, na esperança de preservar a memória nacional quando o assunto é quem são os tradutores que contribuíram para a diversidade literária do país. Além disso, sendo algo que talvez tenha mais peso, ela dá nome aos bois e expõe as editoras brasileiras irresponsáveis que estão tentando ganhar dinheiro às custas de tradutores sem pagar um centavo e/ou nem dar crédito a quem merece.

Explico: Muitas editoras no Brasil estão lançando mão do artifício dos "tradutores fantasmas" para editar livros que estão no domínio público, porém utilizando-se de traduções publicadas no passado. Em vez de reeditarem o trabalho antigo dando crédito ao tradutor ―ou, melhor ainda, contratarem outro tradutor para dar nova roupagem aos clássicos― essas editoras estão inventando nomes para os "tradutores fantasmas" e ganhando em cima do trabalho dos outros.

Denise descobriu até que há editoras que dão crédito aos seus diretores pelas traduções plagiadas!

De olho nos detalhes, seus colaboradores têm a ajudado a identificar as tais "novas" traduções que são 99% idênticas a traduções antigas. Essa diferença de 1% é atribuída a "atualizações", ou seja, um editor de texto se deu ao trabalho de sentar-se diante do material para corrigir a ortografia (que já passou por tantas reformas nas últimas décadas) e mudar uma palavra aqui e outra ali para "dar uma modernizada".

Essa questão do plágio é fascinante ―para não dizer revoltante!― e o trabalho dela tem ajudado a desmascarar essa fraude editorial no Brasil. Espero que muita gente, tanto tradutores como leitores, apoiem essa causa para resolver o problema, principalmente quando se derem conta de que algumas dessas editoras estão recebendo incentivo do governo para arrecadar fundos para os seus projetos de plágio.

Para obter mais informações sobre a carreira e as perspectivas da Denise, aqui está uma ótima entrevista dela com o Blog de Literatura do iBahia. Clique aqui para ver uma lista dos outros blogs com os quais ela contribui, principalmente sobre os livros e autores que ela traduz, além do excelente "Tradução Lítero-Humanística", cujo público-alvo principal é formado por iniciantes neste mercado de penetração tão difícil.