Tradutores na Literatura

Julia Medrado 

Há diversos livros e contos que retratam um pouco da profissão de tradutores e intérpretes através de seus enredos e personagens. Muitos autores têm chances de conhecer intimamente as agruras e felicidades da profissão: além de terem contato intenso com colegas ao longo das produções editoriais, muitos escritores também são tradutores. Por isso, não é raro encontrarmos esses profissionais retratados nas histórias de modo bastante fiel. Além de ser super interessante para quem quer ingressar na profissão, é também uma diversão para quem já atua na área. Selecionamos abaixo algumas obras que ajudam a entender mais sobre o universo da tradução e seus profissionais.

Coração tão branco, de Javier Marías
Traduzido do espanhol por Eduardo Brandão

Juan é intérprete e tradutor, como Luisa, com quem acabou de se casar. Ouvir e contar é o seu ofício ―quase uma obsessão, uma forma de fazer existir o que acontece. Mas devemos contar sempre o que ouvimos? Não é melhor, às vezes, calar, guardar segredo para que o passado não permaneça presente?

 
travessuras menina má.jpg

Travessuras de uma menina má, de Mario Vargas Llosa
Traduzido do espanhol por Ari Roitman e Paulina Wacht

Neste romance de inspiração autobiográfica, o jovem Ricardo tem apenas duas ambições na vida: amar uma menina travessa e morar em Paris. Ele se instala na capital da França como tradutor e intérprete da UNESCO, mas sua amada atravessará seu caminho sob diversos disfarces: aprendiz de revolucionária na Paris e na Havana dos anos 60, esposa de um milionário britânico na swinging London da década de 70, amante de um mafioso japonês...

 

Bel Canto, de Ann Patchett
Traduzido do inglês por Maria Carmelita Dias

Ganhador do Orange Prize for Fiction e o PEN/Faulkner Award de ficção, este best-seller, liderou o ranking dos Melhores Livros do Ano da Amazon em 2001. Baseado na Crise de Lima, o livro explora como terroristas e reféns se relacionam em uma casa, onde passam vários meses juntos. Um dos protagonistas é Gen Watanabe, intérprete que se vê incumbido de traduzir tudo para todos. 

 

Bestiario, de Julio Cortázar
Traduzido do espanhol por
  Remy Gorga Filho

Livro surrealista de grande importância entre as obras do escritor argentino, o Bestiário contém o conto “Carta a uma senhorita em Paris”. O narrador está passando uns dias no apartamento de uma amiga em Buenos Aires e escreve uma carta para ela, que está em Paris, para contar que está vomitando coelhinhos, um dos motivos pelo qual está atrasado na tradução de um livro do escritor francês André Gide. 

 

O tradutor cleptomaníaco, de Dezső Kosztolányi
Traduzido do húngaro por Ladislao Szabo

Kosztolányi é um dos escritores húngaros de maior destaque. Em 1933, ele lançou um volume de contos protagonizados por seu personagem mais famoso, Kornél Esti, uma espécie de alter ego do autor. Algumas das histórias deram forma ao filme húngaro Esti Kornél csodálatos utazása que virou cult nos anos 1990. O conto que dá nome ao livro é sobre um tradutor que, ao traduzir um livro, subtrai elementos do texto original, como, por exemplo, joias, dinheiro, lustres etc.  Ao  traduzir o conteúdo, sempre algo se perde ou é “roubado” do original, embora a maioria dos tradutores não tenha cleptomania. 

 

O passado, de Alan Pauls
Traduzido do espanhol por Josely Vianna Baptista

O livro é sobre um tradutor que faz legendas para filmes e também trabalha como intérprete em conferências. Ele termina um relacionamento de doze anos com a namorada e, depois de um tempo e alguns acontecimentos marcantes, começa a sofrer de um tipo de amnésia e a ter lapsos linguísticos – começa a esquecer os idiomas que antes dominava, o que deve ser o pesadelo de qualquer tradutor. Apesar de ser uma questão superinteressante, o livro se centra nas aventuras amorosas do protagonista.


NOTA DO EDITOR: O texto original escrito por Julia pode ser lido aqui. Se você tiver outras recomendações sobre livros que falam do trabalho de tradutores e intérpretes, envie um e-mail para julia@tradstar.info


JULIA MEDRADO é formada em Letras pela PUC-SP com especialização em Tradução inglês-português e Gestão Web pelo SENAC, trabalha há doze anos com comunicação internacional, tendo atuado como tradutora, intérprete e coordenadora de projetos até abrir sua própria empresa, a TRADSTAR, em 2010.