Amazon investe em traduções literárias

Todo mudo já sabe que a Amazon vem investindo pesado no setor editorial com soluções pioneiras ou popularizando conceitos existentes. Até agora, eles lançaram um catálogo de livros  Kindle para leitura em dispositivos físicos ou "nas nuvens", a plataforma Author Central para publicação independente nos formatos digital e/ou impresso e KDP Publishing, um sistema no estilo bilbioteca para os clientes Prime tomarem livros emprestados gratuitamente.

Agora a Amazon está levando traduções literárias a sério. O selo Amazon Crossing tem como objetivo "apresentar os leitores a escritores internacionais com traduções de idiomas estrangeiros, tornando livros premiados e recorde de vendas acessíveis a muitos leitores pela primeira vez".

O plano é unir forças com editoras estrangeiras para disponibilizar os livros da AmazonCrossing nos idiomas locais, aumentando assim os lucros ao garantir a representação internacional da obra dos seus escritores. A empresa também vai administrar os direitos de publicação e produtos derivados, tais como livros em áudio, reimpressão e impressão em fonte ampliada, além de direitos sobre programas televisivos e filmes para o cinema.

No momento, existe um fórum para obter feedback dos leitores, que estão pedindo versões de francês, italiano e russo. O catálogo tem cerca de 230 livros e o selo está se concentrando principalmente em traduções para o alemão (+ de 120 títulos), com poucos disponíveis em espanhol (uns 10).

Apesar de o primeiro livro ter sido traduzido em 2003, o selo continua sendo pouco conhecido do público e a quantidade de títulos só começou a aumentar desde o fim de 2011, incluindo diversas traduções para o inglês (+ de 90) de escritores vindos da Alemanha, Polônia, França, Finlândia, Dinamarca, Ucrânia, Argentina, Cuba e Japão, entre outros países.

Após a Feira do Livro de Frankfurt, realizada na semana passada com o Brazil como convidado de honra, a AmazonCrossing anunciou que dez escritores brasileiros serão traduzidos para o inglês

A boa notícia para os tradutores é que o nome deles aparece nos créditos e a biografia é incluída na página geral de autores , o que sempre é bom em termos de visibilidade. No entanto, a página de cadastro de tradutores não informa os termos de negociação, ou seja, se os profissionais recebem pagamento adiantado (de acordo com a quatidade de palavras ou páginas a serem traduzidas), dividem os lucros provenientes dos direitos autorais com os escritores ou recebem um pouco de um e um pouco de outro.

Vamos ficar de olho no projeto para falar sobre o andamento e destacar traduções importantes para o inglês de livros estrangeiros premiados, assim como a expansão para os demais mercados onde a Amazon já funciona, incluindo Espanha, Itália, França e Brasil.