"Translationista" de Susan Bernofsky

Para me atualizar sobre o que os tradutores literários estão fazendo, crio hoje uma nova seção: RecBLOG

(Sim, significa "blogs recomendados", já que não sou lá muito criativa...)

O primeiro blog literário que vou destacar é "Translationista" de Susan Bernofsky. O texto que me chamou a atenção quando visitei o site pela primeira vez foi "Can an Author Relinquish Control?" [O autor conseguer abrir mão do controle?] Aqui está um trecho:

Being translated is frightening. Imagine this: You spend months if not years writing a literary work, agonizing over each word choice, perfecting turns of phrase that convey your own particular vision and sensibility. Then you hand over the finished product to a stranger in another country who does something mysterious with it, resulting in a work in a language you quite possibly don't read a word of, a work you may never truly be in a position to evaluate, and then he publishes it under your name. It's no wonder authors get nervous when they think about all their foreign-language simulacra. Pretty much every author I ever talked to about this is eager to be assured that her translator is "faithful" to the original work. But what does that mean?

[Tradução minha:]
Ser traduzido é assustador. Imagine só: você passa meses ou até anos escrevendo um trabalho literário, agonizando a cada palavra escolhida, aperfeiçoando as voltas de uma frase que expressa sua visão e sensibilidade únicas. Aí, você entrega o produto final para um estranho em outro país, que faz algo misterioso, resultando em um trabalho em um idioma do qual você provavelmente não consegue ler uma palavra sequer, um trabalho que você nunca estará na posição de avaliar, e o seu nome vai publicado naquele trabalho. Não é de se admirar que os escritores tremem na base quando pensam em todos os seus simulacros em idioma estrangeiro. Praticamente todos os escritores com quem eu falei sobre o assunto estão ansiosos para ouvir que o seu tradutor foi "fiel" ao original. Mas, o que isso quer dizer?

Gostei tanto da introdução ao texto porque ela resume as conversas que tive com vários escritores que estão pensando em ter sua obra traduzida. A maioria daqueles com quem eu tive contato são escritores independentes, então têm o maior cuidado e tentam manter o controle durante o processo como um todo.

Talvez por causa dessa natureza independente, eles estão mais abertos e se animam com a ideia de ter seus livros disponíveis em outro idioma e, já que há um contato direto comigo na qualidade de tradutora deles, essa experiência é realmente bastante gratificante para ambas as partes: trabalhamos juntos como uma equipe que está criando a melhor adaptação possível para os leitores internacionais em todo o mundo.