Em comemoração à alma da tradução

Devemos ler uma tradução como qualquer outro espécime literário? Bom, isso nos leva a outra pergunta: como lemos? Lemos textos diferentes de maneiras distintas? Isso muda durante a vida de uma pessoa? A leitura tem funções diferentes dependendo de fatores como estilo, assunto, autoria, época, etc.?

Essas são as perguntas que B.J. Epstein, palestrante sobre literatura e tradução na Universidade East Anglia, fez em seu artigo publicado no site Huffington Post e intitulado "Celebrating Translationness: Reading a Translation" [em tradução livre: "Em comemoração à alma da tradução: Como ler uma obra traduzida"].

Ela apresenta ótimos argumentos para como um livro traduzido precisa ser lido de maneira diferente do original, já que envolve uma cultura distinta e a "estrangeiridade" do texto não pode ser ignorada.

Em minha humilde opinião, aprender sobre algo que não nos é familiar e, ao mesmo tempo, identificar os sentimentos comuns que nos unem como seres humanos é exatamente a alma da leitura.

Leia o artigo completo [em inglês] para aprender mais sobre como as pessoas leem literatura traduzida!