"Intralingo" de Lisa Carter

Dando continuidade à lista de blogs dedicados à tradução literária, aqui vai o segundo item adicionado à sessão RecBLOG.

Hoje eu gostaria de recomendar "Intralingo" de Lisa Carter. Lisa é tradutora de espanhol para inglês certificada pela Associação Americana de Tradutores (ATA) e a Associação de Tradutores e Intérpretes de Ontário (ATIO). Tive o prazer de conhecê-la durante a 53ª conferência anual da ATA aqui em San Diego, quando assisti à sua palestra O enigma de Einstein: Estudo de caso em tradução literária.

O texto que gostaria de destacar aqui se chama "3 Reasons to Review Galleys and Proofs" [3 motivos para revisar galés e bonecos] e fala da importância de os tradutores literários terem acesso tanto à versão editada (boneco), com comentários e perguntas do editor, como a cópia final (galé) pronta para publicação.

Aqui estão os seus três motivos:

  1. O trabalho vai com o seu nome
  2. O editor vê coisas que você não enxerga e vice-versa
  3. Para aprender, aprender e aprender mais

Recomendo que leia o excelente texto escrito por Lisa para saber das experiências dela, mas o que eu posso acrescentar é que me identifiquei com as sugestões de vários pontos de vista diferentes. 

Em primeiro lugar, venho do jornalismo e fui treinada para atuar nos dois lados do processo: como escritora com uma reportagem para publicar e como técnica de diagramação que planeja as páginas para impressão ou divulgação na internet. Tanta coisa pode acontecer desde o momento em que a matéria é entregue até ela ser publicada que vale a pena dar uma segunda (terceira, quarta, décima!) olhada no material para garantir que não passou nenhum erro de ortografia.

Em segundo lugar, também trabalhei como revisora, seja lendo o trabalho original de outra pessoa ou a tradução de um colega. A troca entre escritor/tradutor e editor de textos é essencial porque um revisor é a primeira pessoa a ler o seu trabalho. Se algo não ficar claro, na certa o público-alvo também não vai entender a mensagem. Lendo os comentários de um editor de textos, você (na qualidade de autor ou tradutor) poderá verificar se a intenção original permaneceu intacta.

Por último, como tradutora, tive a oportunidade de trabalhar como uma querida colega que é minha revisora para tudo que traduzo em inglês, incluindo trabalhos técnicos em Informática e Tecnologia e Comunicação Empresarial (minhas duas especializações) e também traduções literárias.

Além de garantir que eu não soletrei nada errado, não me equivoquei na gramática e nem usei palavras variadas para um mesmo termo ao longo do texto, ela também me ajuda a economizar tempo pesquisando uma ou outra opção quando fico sem palavras. No entanto, a minha colega infelizmente não lê em português, espanhol e italiano (os meus outros idiomas de trabalho), então é importante que ela levante questões para eu verificar se estou usando as palavras corretas em inglês, que não passou batida nenhuma ambiguidade, ou que situações e conceitos não ficaram pouco claros durante o processo de tradução.