Parabéns para quem merece

O texto da semana passada destacou como as editoras brasileiras estão apressando o processo de tradução literária e abarrotando as prateleiras com livros de qualidade duvidosa. Agora chegou a hora de dar os parabéns para quem merece: o Governo Brasileiro está se esforçando ao máximo para promover a literatura brasileira no mundo. Bravo!

A iniciativa mais recente é uma revista chamada Machado de Assis, em homenagem ao escritor de maior prestígio no Brasil. A primeira edição saiu em 10 de outubro e trouxe 22 textos escritos por brasileiros e traduzidos para inglês e espanhol.

"A literatura brasileira [...] está chamando cada vez mais a atenção de editores, livrarias, acadêmicos e, acima de tudo, leitores", afirma Galeno Amorim, presidente da Fundação Biblioteca Nacional. "Afinal, neste momento em que pessoas em todo o planeta estão ansiosas para conhecer e compreender um país emergente entre as potências mundiais, não há melhor lugar para começar do que a sua cultura e, em particular, os seus livros e a sua literatura."

Além da revista, o governo também está planejando investir R$ 76 milhões até 2020 em bolsas de tradução, incluindo incentivos para tradutores estrangeiros interessados em um programa de residência para morar no país enquanto traduzem autores nacionais em seu idioma materno―principalmente alemão, italiano, espanhol e francês. Parte dos investimentos também serão usados para aumentar a presença dos escritores brasileiros no exterior, já que o país será o convidado da Feira do Livro de Frankfurt em 2013.

Todas essas iniciativas são ótimas e tenho certeza de que elevarão a rica literatura e a imagem diversificada do Brasil no mundo inteiro. Porém, a cultura é uma via de mão dupla e continua sendo uma preocupação a qualidade da literatura que entra no país depois de ser traduzida de um outro idioma para o português e cujo público-alvo são os leitores brasileiros. Todos deveriam mostrar o mesmo respeito pelo público nacional, como o governo vem mostrando pelos escritores brasileiros e o público internacional com programas de tradução literária de tal magnitude.