Traduzindo livros que fluem naturalmente

Anthea Bell, tradutora literária de alemão e francês para inglês que já ganhou muitos prêmios e teve suas traduções destacadas em várias listas de títulos mais vendidos, fala um pouco sobre seu processo de trabalho:

"Apesar de conhecer gente que faz isso, eu nunca vou traduzir um livro sem lê-lo antes! Eu gosto de fazer um esboço primeiro, porque se o escritor estiver vivo eu posso fazer perguntas, então posso ter uma lista de tudo o que quero perguntar. Se o escritor já tiver falecido, é claro que não dá pra perguntar nada! Mas a maioria dos meus autores estavam vivos e geralmente gostavam de responder as minhas perguntas. Depois disso eu reviso e reviso. No final, leio a última versão somente em inglês, sem voltar para o original, a menos que alguma coisa me salte aos olhos. Aí eu paro e penso: O que eu quis dizer aqui? O que o escritor quis dizer? Nesse caso eu volto para o original. Na minha opinião, a tradução precisa ser lida como se tivesse sido pensada e escrita em inglês desde o princípio."

Entrevista completa [em inglês] no site Publishers Weekly