Tradução de livros árabes para o inglês ganha impulso

No ano passado, aPrimavera Árabe esteve nas manchetes. A antologia Beirut 39 destacou os melhores 39 autores que escrevem em árabe e têm menos de 40 anos de idade. Em novembro, um grande acordo foi fechado durante a Feira Literária de Sharjah: bolsas no total de US$ 300.000 que financiarão traduções dos livros mais recentes do árabe para o inglês. E o Prêmio Harvill Secker para Tradutores Jovens selecionou um conto em árabe que foi traduzido para inglês por tradutores amadores de até 35 anos de idade. Seja por motivos políticos ou culturais, podemos dizer que 2011 certamente foi o ano em que a literatura árabe viajou para o Ocidente. Se tudo der certo, esse impulso continuará motivando tais iniciativas no ano novo.

"Parece mesmo que muitos leitores do idioma inglês veem o mundo árabe em uma ampla gama de cores, mas somente pelos noticiários", afirma Briony Everroad, editora da Harvill Secker e fundadora do Prêmio Harvill Secker para Tradutores. "As pessoas não estão cientes das nuances das diferentes culturas e, pessoalmente, acredito que a tradução literária é realmente importante."

A Editora da Universidade Americana do Cairo (AUC) parece concordar com tal declaração e cuidou dos preparativos para reformular a “Trilogia do Cairo” de Naguib Mahfouz. O trabalho mais conhecido do escritor foi publicado na década de 1990, traduzido originalmente por William M. Hutchins e supervisionado por Jacqueline Kennedy Onassis. O primeiro volume a ganhar nova tradução, “Midaq Alley”, foi proporcionada pelo célebre tradutor Humphrey Davies e publicada em 11/12/11, o aniversário de 100 anos do nascimento do escritor. De acordo com a AUC, esse título foi selecionado primeiro porque havia sido apontado por críticos em todo o mundo como o que precisava mais urgentemente de revisão.

"Uma das coisas mais difíceis na tradução é sentir a voz; o tradutor precisa imitar o autor, mas também encontrar seu próprio estilo ao escrever em inglês", Everroad completa. Das 92 traduções enviadas dos quatro cantos do mundo para o prêmio da Harviill Secker, a jovem tradutora que pareceu alcançar tal feito e recebeu um cheque de £1000 foi Wiam El-Tamami, de Cairo, editora independente de tradução literária para a Editora AUC.