Tradutora literária fala de suas experiências

"Os tradutores precisam ler com os ouvidos", afirma Helen Stevenson, tradutora literária de francês para inglês que vive na Inglaterra. Em seu trabalho mais recente, Broken Glass do escritor africano Alain Mabanckou, ela tentou recriar uma "voz" em vez da equivalência linguística exata. 

"A dificuldade de traduzir ficção não é encontrar o equivalente correto para cada palavra", ela explica. "Trata-se de encontrar uma voz. A voz literária do Alain é tão forte, tão rítmica, que as palavras que ele usa carregam a narração por inteiro; limitar-me a traduzi-las honestamente, sem esforço e com facilidade é o suficiente. É uma tentativa de deixar o escritor falar no meu idioma."

Matéria completa (em inglês) no site The Guardian